Portal de Eventos da ULBRA, XVIII Salão de Iniciação Científica e Tecnológica

Tamanho da fonte: 
Padronização de um método alternativo para o isolamento de células-tronco derivadas de tecido adiposo humano
Maiele Dornelles Silveira, Melissa Camassola, Caroline Franke Markarian, Gianna Zaffari Frey, Eduardo Mainieri Chem, Pedro Bins Ely, Ana Paula Horn, Nance Beyer Nardi

Última alteração: 24-10-2012

Resumo


Células-tronco mesenquimais (CTM), são células-tronco com capacidade de autorrenovação e de se diferenciar em pelo menos três linhagens celulares: condrogênica, adipogênica e osteogênica. As CTMs podem ser encontradas em todo o organismo, e uma fonte muito rica destas células e de fácil obtenção é o tecido adiposo, o qual mostra um grande potencial para a medicina regenerativa e terapia celular. As células-tronco adiposo derivadas (CTAD) são geralmente isoladas através de digestão com colagenase. Métodos alternativos para obter estas células são raramente descritos.  O objetivo do trabalho foi comparar métodos alternativos para isolamento de CTAD buscando um protocolo mais viável economicamente. Nove diferentes protocolos foram testados, solução tampão de lise (STL), tripsina nas concentrações de 0,25%, 0,50% e 0,75% usando tempos de 30 e 60 minutos de digestão, colagenase e centrifugação nas rotações de 2500 e 4000 rpm. Após a obtenção das células alguns parâmetros celulares foram avaliados, como rendimento e viabilidade celular, taxa de expansão, imunofenotipagem e capacidade de diferenciação adipogênica e osteogênica. O método convencional de isolamento de CTAD usando digestão em colagenase foi 0,001% mais significativo do que os outros protocolos usados. As células isoladas por centrifugações não proliferaram em cultura antes do 14° dia. O isolamento utilizando a STL se mostrou tóxico para as células durante a incubação resultado em uma viabilidade celular de 64,4%, enquanto a digestão em tripsina mostrou uma viabilidade de 84,8%. As células isoladas com digestão em tripsina foram facilmente obtidas e mantidas em cultura. Estas células isoladas pela digestão em tripsina, também apresentam imunofenotipagem similar, diferenciação adipogênica e proliferação in vitro, mas uma capacidade de diferenciação osteogênica aproximadamente sete vezes maior quando comparado com CTAD isoladas por colagenase. Este protocolo alternativo, usando digestão em tripsina, provou ser eficiente e mais barato do que os métodos normalmente usados e pode representar um protocolo promissor para a obtenção de CTAD para a engenharia de tecidos.

 

Apoio: ULBRA, CNPq e FAPERGS